O reconhecimento de tamanha diversidade gastronômica veio coroar um sentimento comum ao paraense de que a comida do Pará é melhor do Brasil. Não somente paraenses pensam dessa maneira, como também os mais de 1 milhão de visitantes que passaram pelo Estado do Pará, no ano de 2016, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur), e que injetaram na economia local a soma de R$ 700 milhões. Desses visitantes, mais de 900 mil eram brasileiros e o restante são turistas oriundos do exterior.

A paixão pela gastronomia, além das belezas naturais do Estado, faz de Belém um dos principais destinos do turismo gastronômico no País, sendo que o Pará é um dos dez itinerários mais procurados no Brasil, de acordo com um estudo feito pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2015.

Belém também é candidata a receber a reunião anual da Rede de Cidades Criativas da Unesco em 2020. A reunião anual em 2017 foi na cidade francesa de Enghien-les-Bains, que é Cidade Criativa das Artes, título que conquistou em 2013. Belém foi representada no evento pelo Prefeito Zenaldo Coutinho e pelo presidente da Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém (CODEM) e também coordenador do Comitê Cidade Criativa, João Cláudio Klautau.

Cumprir uma agenda de requisitos e eventos é prerrogativa básica para que as cidades criativas da Unesco mantenham o selo da organização internacional. O dossiê apresentado pela capital paraense foi elaborado por um Comitê Interesinstitucional de Belém, formado por órgãos municipais, do Estado e entidades sem fins lucrativos.

Entre as ações do município foram mostradas algumas iniciativas, como o projeto Educando com a Horta Escolar e Gastronomia, que alcança 37 escolas municipais, e que rendeu o prêmio Prefeito Amigo da Criança, pela Fundação Abrinq, ao prefeito Zenaldo Coutinho, em 2016; o festival Ilhas e Sabores, que ocorreu nas ilhas do Combu e Cotijuba, que evidenciou a produção e beneficiamento de açaí, cacau, farinha e cupuaçu na região das ilhas; Além do beneficiamento das pedras fundamentais da Escola Técnica Municipal de Gastronomia (e Escola de Pesca). Esses programas e projetos contemplam a prática sustentável, correta e justa da gastronomia.